Chegou a altura do Video AI nos aniquilar a todos?

AAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHH!!!!!!

(terá sido uma entrada suficientemente dramática?!)

A Inteligência Artificial chegou ao vídeo!
E agora?

Para onde fujimos?
Onde fica o bunker mais próximo?
Onde está o Exterminador Implacável quando precisamos dele? (ah, pois, ele saiu e já volta…)

Terminator GIF

A Inteligência Artificial chegou para ficar

Nos últimos anos (parecem meses) temos visto um crescimento exponencial de tudo o que é Inteligência Artificial.

Muitos de nós começaram a usar o ChatGPT por piada. Escreve uns textos, cria umas listas, dá umas dicas…

Depois, chegaram as ferramentas de geração de imagem por Inteligência Artificial, como o DALL-E, o Midjourney, e por aí fora (já chegou ao Photoshop, ao Canva e vai continuar a expandir).

Como é que isto cresceu tanto em tão pouco tempo? 😱

Imagem

Hoje já temos Inteligência Artificial em quase tudo e em quase todo o lado.

Seja em chatbots de atendimento ao cliente, plataformas de tradução online, ou até na pós-produção de áudio! E segundo dizem, ainda estamos no início.

Resumindo:

React Theblock GIF by Celebrity Apprentice Australia

Então e o vídeo?

O vídeo não poderia ser excepção e era uma questão de tempo até a IA cá chegar.

Como o nome indica, VIDEO AI é aplicação de modelos de Inteligência Artificial para geração de conteúdos em vídeo.

Mas o vídeo traz um desafio adicional, uma layer de complexidade que os outros formatos não têm: a imagem em movimento.

Será possível criar imagens em movimento completamente geradas por algoritmos informáticos?
Sem câmaras, sem luz, sem actores, sem sets de filmagens… Só com 0s e 1s?

Parece que sim.

SORA – o modelo de Inteligência Artificial da OpenAI

Recentemente, a OpenAI, empresa que desenvolveu o famoso ChatGPT, lançou alguns excertos de vídeos gerados integralmente por Inteligência Artificial.

E sim, o SORA deixou-nos de queixo caído.

Já processámos o que acabámos de ver?

Estamos a falar de vídeo gerado de forma automática com base numa linha de texto (é preciso ler esta frase várias vezes para acreditar).

Não há ainda data de lançamento oficial para esta ferramenta, nem com que condições ou limitações. Mas o futuro é sem dúvida promissor.

Qual o papel que vemos o Video AI ter no futuro?

Vamos ficar desempregados.

Work Job GIF by South Park

Estamos a brincar, calma.

Embora tudo isto seja difícil de acreditar, a verdade é que com um olho clínico conseguimos detectar algumas imperfeições nos elementos gerados por Inteligência Artificial. Seja nos movimentos de câmara, na Física das pessoas e objectos, nas texturas, nas paisagens, etc (o que, diga-se, é perfeitamente normal).

É incrível na mesma, ninguém o nega. Mas por essas e outras razões, acreditamos que o VIDEO AI não venha a substituir por completo a produção de vídeo humana, porque como qualquer outra forma de comunicação e expressão artística, o “toque humano” é quase impossível de replicar.

Por outro lado, parece por demais óbvio que este tipo de ferramentas poderá ter uma grande utilidade em vídeos até então desenvolvidos com base em Stock Footage / Planos de banco.

E isso deixa-nos particularmente entusiasmados, porque ao invés de estarmos limitados pela oferta existente nas plataformas de planos de banco, teremos opções quase infinitas à distância de poucos cliques.

Ou poderemos até introduzir cirurgicamente 2 ou 3 planos gerados por Inteligência Artificial numa campanha, o que no final permite ao cliente poupar alguns recursos (que podem até ser usados para melhorar outros aspectos da produção).

Para concluir…

Embora tudo o que tenha AI no nome seja visto hoje em dia com um misto de entusiasmo e terror, não podemos negar que as possibilidades futuras são imensas.

Cabe-nos a nós, seres dotados de Inteligência Não-Artificial, fazer uso destas ferramentas em nosso benefício.

Porque sim… Parece impossível, mas fomos nós, humanos, a criá-las.

E não nos parece que vamos ceder de mão beijada o título de “Criador” assim tão cedo. 😉

_

Exterminador Implacável, podes continuar de férias, por enquanto…

Qualquer coisa a gente chama!

Arnold Schwarzenegger Movie GIF by Lionsgate Home Entertainment

Briefing, para que te quero?

Rápido!
Pensa naquilo que faz um bom vídeo (não vale ir ao Chat GPT).

(Já pensaste? Boa. Possivelmente algumas destas palavras vieram à baila)

  • Storytelling
  • Criatividade
  • Câmaras de última geração
  • Luz
  • Som (nisto ninguém pensa, mas eu vou meter aqui na mesma)
  • Um bom gancho
  • E por aí fora.

    Acertaste em alguma? Óptimo!
    Mas será que pensaste na palavra BRIEFING?

    O que é um briefing criativo

    Um briefing criativo é um documento conciso que fornece informações essenciais e insights sobre um projeto.

    É um ponto de partida.
    Um guia para profissionais criativos, ajudando-os a entender o contexto e criar conteúdo relevante e impactante.

    Por isso: da mesma forma que sem uvas não se faz vinho, ou sem ovos não se fazem omeletes, sem briefings não se fazem vídeos (vá, bons vídeos).

    Dicas para um bom briefing criativo para vídeo

  • Não te esqueças do briefing!
  • Breve apresentação da empresa / marca
  • Qual é o objectivo do vídeo ou da campanha?
  • Quem é o público-alvo? (Não, “toda a gente” não é resposta)
  • Em que meios ou canais de comunicação vai ser usado? (Offline? Em que contexto? Redes Sociais? Quais? Newsletters?)
  • Qual é a mensagem-chave? (numa ou duas frases, o que deve este vídeo transmitir?)
  • Há alguma ideia pré-definida sobre como o vídeo deve ser? (Filmagens? Animação? Actores? Entrevistas? E por aí fora)
  • Existem referências visuais? Quais? (podem ser vídeos da concorrência, estrangeiros, etc. Este benchmark é muito importante!)
  • A existirem filmagens, em que locais serão feitas?
  • Existem prazos? Quais?
  • Existe um budget? Qual?
  • Não te esqueças do briefing!
  • (Haverão mais perguntas, mas quando recebemos resposta a estas, temos a certeza que vamos ser todos muito felizes)

    Mas tenho que fazer isto tudo só para pedir um orçamento?

    Não. Mas quanto mais informação tivermos, melhor conseguimos ajudar.
    Tanto a dar boas ideias, adequadas, e que façam sentido para o objectivo, como a apresentar um orçamento, também ele adequado à realidade.

    Não precisa estar super organizado. Não precisa ser um documento bonito. Pode até ser no corpo do email. Até o ChatGPT pode ajudar (agora sim)!
    O que importa é haver informação para nos debruçarmos.

    Sabemos que por vezes a pressa é muita e o tempo para escrever é pouco.
    No entanto, caso não tenhamos toda a informação, podemos ter que assumir alguns pressupostos que podem ou não corresponder totalmente à realidade. E isso não é o ideal.

    E um mail a dizer “Não sei o que quero” é um briefing?

    Não.
    Isso é um “Pedido de ajuda”.

    Mas o que importa, é que estamos cá para ajudar.

    Para que esse pedido de ajuda se transforme num bom briefing.
    E para que esse bom briefing se transforme num excelente vídeo.

    Portanto. Da próxima vez que tiveres que nos contactar (já agora, podes fazê-lo aqui), segue a primeira e última regra:

  • Não te esqueças do briefing!
  • Case Study: as novas fardas do McDonald’s

    Antes de começarmos, vê este vídeo:

    Giro? Aguenta os cavalos. No final vamos mostrar todos os episódios.
    Mas antes, vamos contar como tudo começou.

    Foi num solarengo dia de Abril, em plena hora de almoço, que abrimos a nossa caixa de email e recebemos um pedido de orçamento do McDonald’s.

    Coincidentemente tínhamos pedido McDonald’s para o almoço, por isso estavam reunidas as condições (e alinhados os astros), para uma bela história de amor.

    Nota: isto não aconteceu realmente, mas fica a matar no início deste artigo.
    Quer dizer, a parte da história de amor é verdade.

    O briefing

    O briefing era simples:
    Anunciar aos colaboradores do McDonald’s a adopção de uma nova farda nos restaurantes.

    Como? Com alguns conteúdos corporativos, como:

      • Entrevistas com as designers das fardas
      • Planos da produção das fardas em fábrica
      • Mensagem dos responsáveis de Recursos Humanos
      • Etc

    Interessante?
    Sem dúvida, num contexto corporativo, sério, formal.

    E para um público mais jovem, informal e descontraído?..
    Pois…

    sam winchester yawn GIF

    Os “idiotas” de serviço

    Ao ler o briefing do cliente percebemos que tínhamos que desconstruir aqueles conteúdos para criar algo que realmente chamasse a atenção daquelas pessoas.

    Então – os “idiotas” de serviço (nós, claro) – pensámos:

    awkward dumb and dumber GIF

    • Que tal despir este conteúdo de tudo o que é corporativo?
    • Que tal trocar o institucional por entretenimento?
    • Que tal partir de uma premissa ousada, ficcional, para dar o mote para a apresentação das novas fardas?
    • Que tal criar episódios, cada um com o seu estilo e baseado num estereótipo da Ficção? (o esquadrão, o vilão, a batalha, etc)

    E foi assim que nasceu o rastilho que alimentou esta campanha:

    E SE AS NOVAS FARDAS..
    TIVESSEM SIDO ROUBADAS?

    Então, metemos mãos à obra:

    • Criámos um vilão (não digam a ninguém, mas acho que o conhecemos de algum lado).
    • Criámos um esquadrão de resgate cheio de talento (e muito humor).
    • Raptámos estagiários. Usámos um cão com dentes tortos. Comprámos um cadeirão épico no OLX.
    • Convencemos as designers verdadeiras das fardas a entrarem como personagens transcendentais (props!)…

    E, mesmo a correr contra o tempo, fizemos aquele que foi um dos projectos que nos deu mais gozo fazer.

    6 episódios de puro entretenimento (e alguma parvoíce), que foram um sucesso na rede social interna do McDonald’s.

    “Epá, mostra lá os episódios…”

    Desculpa. Às vezes ficamos entusiasmados e não paramos de escrever. Aqui estão eles:

     





    O que tem tudo para dar errado..
    também tem tudo para dar certo

    A chave do sucesso desta campanha foi, nada mais nada menos, um cliente que confiou em nós e no nosso trabalho.

    Um cliente que decidiu ousar, mesmo correndo os riscos, para fazer algo diferente do que tinha sido feito até então. O chamado “quem não arrisca não petisca”. E nós petiscámos: Hamburgueres, nuggets, Sundaes e muito mais.

    Assim se iniciou uma bela história de amor. Obrigado do coração, McDonald’s.
    Até outras núpcias..

    Afinal de contas… quanto custa um vídeo?!

    Pergunta para 1 Milhão de Euros: quanto custa um vídeo?

    Bem, para começar, os nossos certamente não custam milhões.
    Se custassem, estávamos todos a viver aqui:

    Ou aqui:

    Fora de brincadeiras, a resposta não é simples.
    Sem querer parecer cliché, mas recorrendo à expressão popular.. um vídeo pode custar 8 ou 80. É esta uma das respostas mais comuns que damos aos nossos clientes, quando nos colocam esta pergunta.

    Isso quer dizer que, infelizmente, não é tão fácil determinar o preço de um vídeo à partida, como de outros produtos e serviços. E quando falamos de criatividade, ainda mais (não é assim, colegas criativos?).

    O que faz um vídeo caro ou barato?

    Primeiro que tudo, importa perceber o que é um vídeo.
    Um vídeo pode ser tudo. Vídeo institucional, vídeo promocional… Curto ou longo. Simples ou complexo. Envolver muitos ou poucos recursos.

    Façamos um paralelismo com a pastelaria.

    Um pastel de nata é sempre um pastel de nata. Tem quase sempre o mesmo tamanho, a mesma quantidade de massa e recheio, e tem um preço fixo.
    Mas um vídeo não é um pastel de nata, porque não há dois vídeos iguais.
    Ou seja, podemos dizer que um vídeo é mais como um bolo de aniversário feito à medida.

    Quantos andares?
    Quantos sabores?
    Que quantidade e tipo de decorações?
    Para quantas pessoas?

    Cada bolo terá mais ou menos características e envolverá mais ou menos recursos na sua confecção.
    E um vídeo é exactamente a mesma coisa.

    Tem actores? Quantos?
    Envolve aluguer de cenário?
    É necessário arranjar adereços?
    Necessita de realizador e/ou produtor dedicado?
    Quantos dias de filmagens vão ser necessários? Em quantas localizações?

    E por aí fora.

    Resumindo: um vídeo custará tanto quanto for necessário para produzi-lo.

    Isso quer dizer que fazer um vídeo é caro?

    Não necessariamente.

    Meramente em termos comparativos, um vídeo complexo que resulta de uma ideia complexa, irá ser sempre mais “caro” do que um vídeo simples que resulta de uma ideia simples, que será mais “barato”.

    (além de que “caro” e “barato” são conceitos altamente subjetivos e dependem de pessoa para pessoa, de empresa para empresa.)

    Como é feito um orçamento na Shortfuse?

    Quando recebemos qualquer pedido, tentamos apurar (na verdade é mais esmiuçar) o briefing para o vídeo, de forma a termos o maior número possível de informações que nos permitam orçamentar.

    Praticamente todos os vídeos são compostos por estas 3 fases:

    • Pré-produção
    • Filmagens (ou Ilustração no caso de um vídeo animado)
    • Pós-produção

    Cada uma destas fases irá envolver, de forma variável, o tempo de um ou vários profissionais (estas carinhas larocas):

    Na Shortfuse, todo e qualquer orçamento tem como unidade de preço, o dia de trabalho.
    É essa a unidade que será então multiplicada pelo número de dias e profissionais necessários para a conclusão daquela fase.

    Apenas em jeito de exemplo, vamos partir do princípio que um vídeo para ser concretizado, implica os seguintes pressupostos:

    • Pré-produção: 4 dias, 1 pessoa
    • Filmagens:2 dias, equipa de 2 pessoas
    • Pós-produção: 6 dias, 1 pessoa

    Significa então que, na prática, teremos 14 dias de trabalho (ou 112 horas de trabalho), que ao serem multiplicados pelo preço diário, resultam no preço deste vídeo.

    80S 1980S GIF

    Claro que, esta é a forma como orçamentamos os aspectos que dizem respeito a todo o trabalho que fazemos “in house”.
    Por exemplo, voz-off, actores, aluguer de cenários, entre outros aspectos, são vistos caso a caso e podem diferir de fornecedor para fornecedor.

    Pontos principais a reter

    • um vídeo custará tanto quanto for necessário para produzi-lo, daí ser importante um bom briefing (se formos chatos, pedimos desculpa, é por uma boa razão!)
    • Na Shortfuse, orçamentamos de forma justa, clara e discriminada, para que cada cliente consiga perceber quanto custa cada fase de produção do vídeo

    Agora vamos ter que nos ausentar. Há orçamentos para fazer!
    Até breve!

    Produção de vídeo em tempos de crise

    Sim, o bicho ainda não foi embora.
    Sim, há uma guerra no Leste da Europa.
    Sim, as consequências económicas e sociais sentem-se um pouco por todo o lado.

    Qual o papel das marcas no meio disto tudo?
    A comunicação continua a fazer sentido?

    1 – Deixar de comunicar é morrer

    Ou quase.

    Compreensivelmente, o investimento em comunicação tende a ficar para trás quando surgem os alarmes. É claro que ninguém vai preferir fazer vídeos a pagar salários (ou encher o depósito).

    Mas quando pensamos no contexto que atravessamos, é fácil concluir que as pessoas estão cada vez mais afastadas umas das outras, alarmadas, assustadas.
    E o contacto entre pessoas e marcas não é excepção.

    Todos os anos ouvimos falar que “este é que é o ano das marcas se tornarem mais pessoais”.

    Talvez seja hora de deixar de ser uma tendência e passar à prática.
    De abraçar esta oportunidade única de chegar às pessoas e conectar com elas (ou até reconfortá-las). Sejam elas clientes, consumidores, fãs ou seguidores.

    O que acontece quando deixamos de regar uma planta?

    pink and white flowers in blue ceramic vase

    2 – O que aprendemos com a pandemia

    Se aprendemos uma coisa com a pandemia, é que as marcas querem verdadeiramente responder a problemas reais e preocupações das pessoas.
    E que conseguem ser extremamente resilientes e adaptáveis.

    Ser relevante (ou continuar a sê-lo) nunca foi tão importante.

    – o que é as pessoas precisam de saber para confiar na minha marca?
    – o que as preocupa?
    – como podemos melhorar a sua vida?
    – como podemos continuar a chegar até às pessoas mesmo em cenários de adversidade?

    Por exemplo, nesta Campanha para o Metropolitano de Lisboa, mostrámos que este é um transporte seguro e higiénico, uma das preocupações que as pessoas mais tinham quando a pandemia surgiu.

    Ou neste vídeo para a Xpandit, mostrámos como é que a empresa valoriza e procura sempre manter-se próxima dos seus colaboradores, mesmo quando não era fisicamente possível estarem juntos como dantes.

    E temos ainda o exemplo da Ciência Viva, que contornou os desafios das visitas a museus como o Pavilhão do Conhecimento, para transformar as suas visitas presenciais em visitas virtuais.

    3 – E se tiver menos água para regar a planta?
    aka “Tenho limitações de budget”

    Lamento. Nada feito.
    Estamos a brincar.

    Continuam a haver soluções para contar histórias (mal de nós se não houvesse!). Quem nos conhece sabe que aceitamos um bom desafio.

    Nem sempre estão reunidas as condições ideais. E quando isso acontece, podemos recorrer a uma ou várias soluções:

    – rentabilizar horas/dias de filmagens
    – vídeo de banco
    – motion graphics
    – criatividade

    a) Rentabilizar horas/dias de filmagens e encurtar o vídeo

    Esta é a dica mais straightforward e prática.

    Podemos conjugar várias filmagens no mesmo dia?
    Conseguimos aproveitar uma deslocação para filmar em várias cidades de forma sequencial em vez de voltar à base e ir várias vezes?

    Por vezes, um bom planeamento dos trabalhos, ajudam-nos a optimizar também os custos, sem que a qualidade do projecto final seja afectada.

    Outra boa possibilidade é fazer um vídeo mais curto, o que poderá necessitar menos tempo de edição. Nestas coisas do vídeo, menos costuma ser mais.

    b) Vídeo de banco

    Um vídeo com base em vídeos de banco não é das coisas mais sexies. Não é.
    Basicamente é fazer um vídeo com planos que qualquer pessoa pode comprar online. Tem os seus handicaps:

    Hide The Pain Harold | Know Your Meme

    Mas com a narrativa certa, uma boa selecção de vídeos, e alguns truques na manga – o resultado pode ficar bem interessante (se feito por uma equipa experiente e profissional, wink wink).

    c) Motion graphics

    A animação, ou o motion graphics, se quisermos parecer mais letrados, é outra das boas opções para criar conteúdos, dentro de uma determinada limitação de budget.

    Particularmente interessante para transmitir conceitos complexos, ou que não sejam facilmente filmáveis, como por exemplo meter um rolo de sushi numa comissão de inquérito no parlamento.

    Aqui o diferencial está principalmente na relação investimento-resultado final. Como os elementos são desenhados e animados de raiz, a margem criativa é bastante grande. E o resultado final irá certamente conquistar a audiência.

    d) Criatividade

    A criatividade é aquele canivete Suíço que tanto pode originar produções complexas (o céu é o limite), como pode ajudar a resolver limitações, sejam elas orçamentais ou até temporais (“o vídeo é para ontem”).

    Não é verdade que um vídeo bom tenha que ser dispendioso.
    Basta, por exemplo, trabalhar com pressupostos mais simples e os resultados podem continuar a ser bem eficazes.

    Por exemplo, nesta Campanha para a Agência Abreu, optámos por uma produção mais simples (um actor, um cenário, um plano) e isso permitiu-nos fazer vários vídeos em vez de investir todas as fichas num único vídeo. E não foi por isso que os vídeos ficaram prejudicados, muito pelo contrário.

    Resumindo

    Parar é morrer, como se costuma dizer.
    E parar de comunicar é tão mau como parar de ter hábitos saudáveis.

    Sabemos que os tempos são difíceis.
    Mas enquanto houver estrada para andar (e enquanto restar combustível)..

    Estamos por aqui!
    À distância de um email ou reunião!

    Até já.

    Era uma vez uma marca

    Era uma vez uma marca que nasceu em 2011 para ser (mais) uma produtora de vídeo.

    Apresentou-se ao mercado como conseguia e com as armas que tinha (que diga-se, não eram muitas).

    Equipa altamente recém licenciada com uma câmara de entrada de gama

    Não querendo ser desmancha prazeres (mas sendo), os bebés nem sempre são lindos ao nascer. E uma marca não é excepção. Quer dizer, pelo menos esta.

    1º logótipo Shortfuse – uma obra de arte em Arial.

    Como qualquer criança, esta marca foi resiliente.
    Deu os primeiros passos, caiu, voltou a levantar-se e tem sido um pouco assim por todo o caminho (quem não?).

    Acima de tudo, cresceu, adaptou-se. Mudou de casa algumas vezes.

    Alfornelos -> Cacém -> Barcarena

    Criou laços fortes.

    Quando dizemos que somos mais que uma produtora de vídeo, we mean it

    Olhou mais para a frente do que para trás, e puff. Num abrir e fechar de olhos, passaram 10 anos.

    Pelo meio, deu um mini-grito-do-ipiranga e meteu alguma maquilhagem (vá, bastante), e conseguiu cimentar a sua posição neste mercado de marcas e empresas à procura de um parceiro na área da produção de vídeo.

    E o que é feito desta marca?
    Está de saúde. Como dizem os mais velhos: “O que importa é ter saúde”.
    E convenhamos, com tanto COVID-19 por aí, é bem bom!

    10 anos é uma idade saudável!
    Pelo menos em idade de marca, que deve ser mais coisa menos coisa, o mesmo que em idade de cão (pelo menos em Portugal…).

    Este mês, Fevereiro de 2022, assinala mais um passo desta marca.
    Depois de passar pela puberdade (e pelas borbulhas), já sabe quem quer ser. E está pronta para sê-lo e assumi-lo em todo o seu esplendor.

    Irreverente
    Espontânea
    Impactante

    Porque é disso que se trata. Criar impacto.

    Apresentamos.. #aMesmaDeSempreMasComMaisAtitudeQueNunca, a nova Shortfuse.

    Uma marca que se reinventa com um simples ponto.
    Um ponto que podia ser final, mas é exactamente o contrário:
    Um (re)começo.

    Hoje, como diz o Sérgio Godinho, “é o primeiro dia do resto da tua vida”.
    Resta-nos aproveitar ao máximo!

    P.S. Temos projectos fresquinhos no nosso portfólio, give it some love!